Resenha de "Três amigas, todos os Domingos"

Defino Três amigas, todos os Domingos como uma agradável surpresa. É o romance de estreia do americano Edward Kelsey Moore e nos traz uma história tocante, palpável, adorável e hilária.

Foi no verão de 1967 que Odette, Clarice e Barbara Jean se tornaram as Supremes e, mesmo após pouco mais de quatro décadas, elas, além de compartilharem uma linda e verdadeira amizade, mantiveram o hábito de se reunir no famoso restaurante do Earl, o Coma-de-Tudo.

Conhecida como a garota que não tem medo. Odette nasceu em um sicômoro (longa história), é a sincera e autêntica líder das Supremes e está, como sempre, bem acima do peso. Ela é casada há anos com James, um policial incrível e amável, e acaba de descobrir que o calor que anda sentindo não é causado apenas pela menopausa. Sem mencionar o fato de ela ter herdado, de sua doida e excêntrica mãe, o dom de ver fantasmas.
"- Sabe, não acredito muito em milagres. Creio que existe apenas o que deve acontecer e o que não deve acontecer. Então, você deixa fluir ou se opõe, tentando impedir que aconteça.                                 - Hmmm, vou ter que pensar sobre isso. Gosto da ideia de um bom milagre de vez em quando - retruquei." 
Clarice é a "certinha" do trio, que apesar de estar com 55 anos, ainda tem grande dificuldade de encontrar sua verdadeira personalidade e aceitar o óbvio, ou seja, que o seu marido, Richmond, a traí constantemente. Ela é sempre muito prestativa, engraçada e amigável, porém, não tem uma relação muito boa com sua mãe passiva e submissa.

A terceira integrante das Supremes é a mulher mais linda da cidade, mas, por outro lado, a mais triste. Barbara Jean nasceu no sofá de Dona Carmel, sua futura professora de inglês, e vive com os fantasmas de seu terrível passado: uma mãe problemática, a culpa, o alcoolismo, a morte de seu único filho e, agora, o falecimento de seu velho marido Lester, um simpático ricaço.

Suas histórias estão entrelaçadas e são uma montanha-russa. Entre reviravoltas, visitinhas do além, confidências, flertes, longas conversas, muitas lágrimas e altas gargalhadas, acompanhamos essas três melhores amigas em uma jornada de aprendizado e renascimento: a vida.
"Fomos dominadas por um sentimento que não precisava de palavras, uma compreensão de que não existia nenhum outro lugar na terra onde devêssemos estar naquele momento, de que não havia mais ninguém com quem pudéssemos dividir tão plenamente aquele estranho e belo dia. Nós nos apertamos, chegando mais perto umas das outras, nos inclinamos e colamos nossas testas, formando nosso próprio triângulo particular."
Incrível como um simples, porém, muito bem escrito e elaborado, livro pode nos trazer tantos sentimentos. Tudo é muito envolvente e cativante, até mesmo o assunto dos fantasmas, já que foi encaixado de tal maneira que tornou-se completamente normal. Uma das coisas de que eu mais gostei foi a verossimilhança, tanto a história quanto os personagens são extremamente críveis e suas situações são palpáveis, emocionando e rendendo boas risadas e reflexões.

A narrativa é em primeira pessoa, tendo Odette como narradora-personagem, porém, os capítulos que focam em Clarice ou Barbara Jean são narrados em terceira pessoa. Pode parecer ligeiramente confuso, mas depois do quinto capítulo, você se acostuma e pega o ritmo da narrativa. Moore tem uma escrita suave e divertida, o que faz com que a leitura seja rápida e agradável.

Até a metade do livro eu fiquei com muita raiva da Clarice, na verdade, acho que inconformada soa melhor, pois foi terrível ver a passividade dela diante das múltiplas traições do marido. Barbara Jean é digna de pena, compreendi sua profunda tristeza, mas isto não me impediu de ficar incomodada com ela também, visto que ela demorou para começar a reagir à sua depressão. Odette foi a minha preferida (apesar de não ter gostado de uma de suas atitudes). Ela é forte e mesmo passando por um grave problema, foi a base das Supremes, ajudando a manter, não só suas amigas, mas todos ao seu redor de pé.

Os personagens secundários também foram um show à parte. Todos, sejam os personagens principais ou os demais, foram maravilhosamente desenvolvidos e inseridos na narrativa. Cada um no seu devido papel e trazendo mais vida às situações. Vale ressaltar que os vilões são pessoas comuns, em outras palavras, pessoas que magoam e decepcionam, de mau caráter ou ambiciosas.

Sou chorona quanto se trata de livros ou filmes, então, obviamente, chorei em duas ou três cenas. Fiquei tocada e apaixonada pelo casal Odette e James, o carinho e o amor que ele demonstra ter por ela são dignos de admiração. Outro ponto que eu achei muito bacana foi o fato de o autor ter abordado a questão do racismo, já que uma parte da história foi ambientada em uma época onde havia restrições, na qual negros e brancos não podiam conviver no mesmo lugar (banheiros, hospitais, restaurantes e transportes separados). Ele abordou de forma sutil e focando em uma cidade do interior, porém, fica bem explícito a forte tensão, agressividade e desigualdade da época.

Achei a capa, que é envernizada em vários pontos, bem bonita, e nota-se nela o restaurante Coma-de-Tudo e o cadilac azul turquesa de Lester; aliás, encontrei apenas 3 erros de revisão, nada para se descabelar. Quer se emocionar e se divertir com as Supremes? Clique aqui e participe da promoção!
  • Escrito por Edward Kelsey Moore.
  • Editora Rocco.
  • Tradução: Ana Deiró.
  • 366 páginas.
  • Disponível em todas as livrarias.
  • Recomendo! =)
*Exemplar para resenha. 

19 comentários:

  1. Eu não sou muito chorona, depende muito ddo meu estado de espírito no momento da leitura. Eu adorei o que você transmitiu sobre o livro na resenha, parece ser uma história singela, cheia de sentimentos e lirismo e eu adorei a capa, achei que combinou com o clima do livro. Quero ler com certeza.

    ResponderExcluir
  2. Muito legal a história. Fiquei encantada e curiosa a respeito das personagens. Ansiosa pra saber mais delas. Adorei conhecer a história através de sua resenha. Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Rafa a história parece ser muito interessante
    como vc acho que me incomodaria com a passividade de Clarice, mas talvez seja essa a maneira que ela encontrou pra seguir a vida...
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Gostei da resenha, a história parece ser mt legal! Ainda ñ conhecia..

    Estou começando com meu blog, se vc puder fazer uma visita e seguir, se gostar..
    Amei seu blog, e já estou seguindo :D

    http://livroinfinito.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi!
    Eu não conhecia o livro. Mas mesmo gostando da sua resenha, o livro não chamou muito a minha atenção.

    BjO
    http://the-sook.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Rafa, gostei bastante da história, o livro parece prender o leitor a cada página. Também amei a capa *--*...

    ResponderExcluir
  7. Oi Rafaela!

    Posso imaginar a sua surpresa. Apesar de você destacar a beleza da capa, não acho que ela demonstre o livro que é, com tantas coisas sendo abordadas. Achei interessante, são fatos e situações que dão mesmo uma boa história quando bem abordados. Fiquei curiosa.

    Beijos,

    Marcelle
    www.bestherapy.net

    ResponderExcluir
  8. Oi Rafa.
    Tudo bem?
    Fiquei interessado pela história. Não é o tipo de gênero que eu geralmente leio, mas é uma história que eu pararia para ler. Pelo que você demonstrou na resenha, as personagens parecem ser bem carismáticas/problemáticas/difíceis... E isso é a melhor coisa em um livro.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  9. Oi Rafa! Primeira vez que vejo o livro e o que mais chamou minha atenção foi a inserção dos fantasmas neste enredo, ao mesmo tempo tão normal e tão fora do comum. É controverso, eu sei, mas foi assim que senti ao ler sua resenha. Gostaria muito de ler.

    Bjos!!
    Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  10. Nossa! Estou curiosa quanto ao livro, eu gostei da tua resenha que nos apresentou uma história boa para se ler. Ela é do tipo que eu gosto.

    ResponderExcluir
  11. Amei sua resenha e agora o livro entrou para minha lista de desejados.

    ResponderExcluir
  12. Pela resenha achei o livro bem adulto, mas no momento estou preferindo livros deste tipo, pois retrata melhor a realidade, sem contos de fadas que são muitos dos livros para adolescentes.

    ResponderExcluir
  13. Li a resenha e fiquei muito interessada nesse livro, a premissa é ótima, está mais voltada a nossa realidade. Quero ler!

    ResponderExcluir
  14. Provavelmente esse livro será mais um para a minha lista de livros que me fizeram chorar. Li a sua resenha e fiquei com uma vontade imensa de ler esse livro.

    http://leblogdecamie.wordpress.com

    ResponderExcluir
  15. Achei a capa um pouco infantil.
    A história deve ser boa, mas não me atraiu direito.
    Pois foca em mulheres numa idade e que vivem uma vida totalmente diferentes da minha. E também com elemento de fantasmas que ia achar meio non-sense.

    ResponderExcluir
  16. Oi Rafa, tudo bem?
    Ainda não conhecia esse livro e fiquei bastante curiosa pra ler *-*
    Parabéns pela resenha. Beijos :*

    ▬ http://shy-confident.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Ai, Rafa, só pela sua resenha já dá pra percebe o ar de fofinho, leve e engraçado do livro. Fiquei encantada e nem li ainda. Adorei, quero ler em breve!

    Beijitos

    ResponderExcluir
  18. Oi, Rafaela!
    Que delícia deve ser a leitura deste livro!
    Adorei sua resenha!
    Preciso ler este livro!

    Beijos!

    ResponderExcluir

Hey you,
gostou do que leu, encontrou algum erro ou quer acrescentar algo?
Não deixe de comentar! =)
Sua opinião é muito importante para o blog.
Beijocas.

© 2012 - Todos os Direitos Reservados
Design por: Gabrielle Alves | Para uso exclusivo do blog Artesã Literária