Resenha de "O sonho de Talitha" - Os Reinos de Nashira #1

A escritora italiana Licia Troisi é bastante conhecida por suas séries de fantasia, como as Crônicas do Mundo Emerso, Guerras do Mundo Emerso, Lendas do Mundo Emerso e A Garota Dragão

Apesar da curiosidade, pois sou fã de carteirinha do gênero fantasia, ainda não havia lido série alguma da autora, então, quando vi uma oportunidade de ler Os Reinos de Nashira, não perdi tempo e entrei de vez nesse novo mundo.
"Então se pôs a caminho. Sentia que naquela noite alguma coisa havia mudado. Uma época da sua existência chegara definitivamente ao fim, e outra estava começando. Devia parar de ver a si mesma como uma garota, ou como uma jovem promissora cadete da Guarda. Esta era a vida de verdade, e agora ela era uma fugitiva, nada mais. Era hora de crescer. Começaria reprimindo a dor e o cansaço, e finalmente segurando as rédeas daquela viagem desesperada: estava em jogo a salvação de um mundo inteiro." (p.259)
Em Nashira, há uma região chamada Talária que é dividida em quatro reinos distintos: o Reino do Inverno, do Outono, da Primavera e do Verão. Lá, o ar é o bem mais precioso que existe, sendo produzido exclusivamente pelos Talareth, árvores gigantescas que cobrem boa parte das cidades e ligam um reino ao outro, e que só pode ser retido pela Pedra do Ar - utilizada apenas pela casta sacerdotal e também para fins mágicos ou dolorosos.

O cenário idílico esconde uma terrível sociedade, em que talaritas, a raça dominante, escravizam sem piedade os femtitas, a raça subalterna que não sente dor física, só quando é torturada com a Pedra do Ar. Além da escravidão, um antigo e inabalável dogma proíbe os habitantes de olhar diretamente para o céu e seus dois sóis, Miraval e Cétus. É neste ambiente, mais especificamente no Reino do Verão, que vive a jovem Talitha e seu adorável escravo Saiph.

Talitha de Messe é uma jovem de dezessete anos, filha do intolerável conde Megassa e que sonha em tornar-se uma guerreira da Guarda - a contragosto de seu pai. Ela nunca se sentiu parte da família e sua única companhia é seu escravo e amigo Saiph, especialmente após sua querida irmã mais velha, Lebitha, ser obrigada a se tornar uma sacerdotisa e ir morar no mosteiro.

Foi com a morte repentina da irmã que a vida de Talitha entrou em uma montanha russa que só vai para baixo. A jovem condessa é obrigada a deixar sua antiga rotina e assumir o papel de noviça no mosteiro da cidade para que, no futuro, possa substituir a Pequena Madre. Mesmo recusando esse destino que lhe foi imposto, ela teve de abandonar sua vida e seus sonhos, acompanhada apenas por Saiph e um intenso desejo de fuga.

A vida no mosteiro é, no fim, muito pior do que Talitha pensava e viver lá é uma espécie de tortura, especialmente para seu escravo. Enquanto planeja uma fuga com Saiph, ela faz uma terrível descoberta que, até então, era escondida pelas sacerdotisas: o mundo está sendo ameaçado por algo que pode destruí-lo quando menos se espera e o único que parece ter algumas respostas, um estranho e temível herege, foi preso e mantido escondido dos demais. Juntamente com seu fiel escravo e amigo, a jovem guerreira viajará pelos quatro reinos a procura do herege, em uma tentativa de ajudar a salvar o mundo e também de alcançar a tão desejada liberdade. 
"Talitha olhou para baixo. Lá de cima, Talária parecia completamente diferente. O preto da grama era recortado pelas linhas brilhantes dos rios. Sobrepondo-se àquela rede líquida, o entrelaçado complexo das vias presas aos Talareth como os fios de uma teia de aranha. Pareceu-lhe estranho que, apesar de todo aquele espaço vazio, as suas vidas transcorressem dentro das pequenas zonas cobertas pelas árvores. O mundo tinha infinitos caminhos, inúmeras estradas a serem exploradas, e eles, devido à natureza do lugar, só podiam percorrer algumas delas, aquelas já traçadas. A dependência da Pedra do Ar e as leis que proibiam a posse do precioso mineral por aqueles que não pertenciam à casta sacerdotal limitavam muito as possibilidades de explorar o desconhecido, de se aventurar por caminhos até então ignorados." (p.361)
Quando comecei a leitura de O Sonho de Talitha não sabia exatamente o que esperar, mas, no fim, gostei do que encontrei. O mundo criado por Troisi é magnífico e instigante, rico em detalhes e cores, mas também cruel e mesquinho - todos estes elementos formaram uma boa combinação no decorrer da narrativa. Além disso, adorei o mapa de Talária, disponível logo nas primeiras páginas do livro, que é incrível e ajudou bastante na compreensão do território e na aproximação com esse novo mundo. 

A história tem um início tipicamente clichê, porém aceitável: uma garota mimada e diferente, filha de alguém muito importante e influente, que se rebela em um dado momento. Depois vem aquela adorável autotransformação do personagem e seu amadurecimento, unidos com muita aventura e mistério. Tudo isso escrito de forma envolvente e peculiar, tanto que a leitura é fluída e gostosa, mas com momentos de tensão e agonia também - que, por vezes, me deixaram enojada. Cabe mencionar que a narrativa foi dividida em três partes, além do prólogo e do epílogo - todas elas são narradas em terceira pessoa, enquanto o prólogo e o epílogo são narrados em primeira pessoa, prefiro manter segredo quanto a esse narrador.

Na primeira parte, acompanhamos a rotina de Talitha e do Reino do Verão em si, incluindo todo o processo até a morte de Lebitha; a segunda parte começa a partir do momento em que ela vai para o mosteiro e esse é um ápices da narrativa, pois vários segredos são revelados e muito da cultura / mitologia é explicada com detalhes; já a terceira parte, narra a busca de Talitha e Saiph pelo herege misterioso, neste momento, é interessante notar não apenas o estado miserável com que grande parte das pessoas vivem, mas também as consequências da ameaça que paira sobre Nashira.

Os personagens foram bem construídos e cada um deles desempenha um papel bem específico na narrativa, mas devo dizer que a Talitha me incomodou um pouco em alguns aspectos - no geral, eu gostei, mas ela ainda não me cativou por completo (afinal, ela é uma heroína em formação ainda). Saiph é uma graça e super protetor, isso pode torná-lo um pouco irritante, mas deve-se considerar que ele é um escravo e acha que deve continuar assim até o fim da vida. Apesar da curta aparição, gostei bastante da Irmã Pelei e da Kora, ambas são personagens agradáveis e fortes. Por enquanto, o grande vilão ainda não apareceu, ou seja, as maldades ficaram nas mãos de Megassa e alguns outros personagens secundários - como os caçadores de recompensa.

Em suma, eu não vejo a hora de ler o segundo, principalmente depois daquele final repleto de lutas sangrentas e puro desespero, mas também, com um toque de esperança no ar. Cabe ressaltar que algumas passagens que eu havia achado bem desnecessárias, mostraram, posteriormente, seu real significado, ou seja, causar mudanças importantes ou apenas para jogar aquele balde de água fria nos personagens.

Achei a capa muito bonita e o trabalho com a revisão ficou ótimo. Outro aspecto interessante é o índice de nomes que está no final do livro, pois foi de grande ajuda para eu relembrar todos aqueles novos nomes ou expressões criadas pela autora. É claro que leva um (curto) tempo para o leitor se adaptar à esse novo mundo (suas regras, cultura e tudo o mais), mas assim que isto acontece, a leitura flui mais naturalmente. A diagramação é normal, modificando-se apenas no prólogo e no epílogo, pois o texto fica em itálico.

Quer ganhar um exemplar de O Sonho de Talitha, primeiro livro da saga Os Reinos de Nashira? Basta participar do sorteio (clique aqui) e cruzar os dedos.  
  • Escrito por Licia Troisi.
  • Editora Rocco Jovens Leitores.
  • Tradução: Mario Fondelli.
  • 430 páginas.
  • Disponível em todas as livrarias.
  • Recomendo! :)
*Exemplar para resenha.

11 comentários:

  1. O livro parece ser muito bom! Estou na vibe de ler livros de fantasia e ação, então ele parece se encaixar perfeitamente. Além do fato de eu estar meio "paranoico" por novos mundos ultimamente, eu nunca li nada de origem Italiana! Geralmente lemos livros de origem americana e britânica... Preciso ler este livro!!

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo bem?
    Amoooo livros que tem mapas de locais por onde os personagens passam, eu sempre paro a leitura para dar uma olhadinha e me achar.
    Adoro personagens bem construídos que são essenciais para a trama!
    Uau, um índice de nomes, deve ser muito bom!
    Adorei a resenha!
    Beijos... Samantha Culceag.
    Só pra Menores

    ResponderExcluir
  3. Uma história muito interessante. tem bastante aventura e emoção. Assim parece. Fiquei curiosa e vou tentar ler. Foi a primeira resenha que li deste livro e gostei demais. Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Oie Rafa
    Essa autora é muito recomendada. Eu quase comprei a outra série dela quando estava em promo no submarino, mas desisti.
    Preciso de um bom livro de fantasia. Faz tempos que não pego nada nesse gênero pra ler.
    bjos
    www.mybooklit.com

    ResponderExcluir
  5. Gente, adoro livros de fantasia, de reinos, de mil histórias fictícias *_* é tanta imaginação rs, gosto de livros assim, ainda mais quando abordam bastante aventura! Boa resenha :*

    ResponderExcluir
  6. OI Rafa! Desde o lançamento estou de olho neste livro, mas ainda não tinha lido uma resenha, agora tenho certeza que vou adorar, primeiro por ser uma fantasia tão bem construída, e depois por ter aqui uma protagonista que amadurece conforme a trama evolui. Dedos cruzados para ganhar este sorteio.

    Bjos!!
    Cida

    ResponderExcluir
  7. Oi, Rafa!
    Eu não me interessei pela premissa. :((
    Mesmo você o elogiando tanto, não fiquei interessado. Possivelmente, agora, a leitura não funcionaria bem comigo. O bom é que a protagonista evolui ao longo da trama. Isso é MUITO bom.
    Enfim, no momento, dispenso a leitura.
    Abraço!

    "Palavras ao Vento..."
    www.leandro-de-lira.com

    ResponderExcluir
  8. Licia é diiiiva ♥

    Desde que me apaixonei perdidamente por Crônicas do Mundo Emerso eu quero ler tudo o que aparece da autora. E todos os livros dela parecem ter a mesma pegada de CME, então já imagino que amarei todos.

    Que boom que gostou do livro, adoro quando as pessoas gostam das coisas que meus autores queridinhos escrevem ♥

    Beijitos
    itrandom.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oie tudo bom, eu adoro livros de fantasia e fico abismada como as pessoas encontram tanta imaginação para aguçar a nossa curiosidade, dica anotada! Bjkas
    Dani Casquet- Livros, a Janela da Imaginação

    ResponderExcluir
  10. Gostei bastante da resenha e devo confessar que achei encantadora a história, assim como você nunca li nada da autora, na verdade não a conhecia, mas gostei bastante de saber que ela é uma autora já renomada no mundo da ficção, pois, já me desanimei com primeiros livros do gênero, quando o autor já é do meio, o livro flui mais fácil.
    Achei difícil ligar os nomes estranhos ao seu verdadeiro dono, o nome da arvore mesmo, tive que voltar a resenha duas vezes para ter certeza que você falava sobre ela e não um personagem ou povo.
    Mesmo tendo gostado da resenha e da sinopse, a principio não incluo o livro na minha lista de desejados, quem sabe após o segundo livro, me animo a ler, morro de medo da "maldição do segundo livro".

    Julielton Souza - Dialética Proposital

    ResponderExcluir
  11. Adoro livros de fantasia. Acredita que nunca tinha ouvido falar no livro e nem na autora?
    fiquei muito interessada na história, principalmente nas lutas sangrentas... adoro rsrs
    Obrigada pela dica, vai pra minha listinha de desejados!!

    ResponderExcluir

Hey you,
gostou do que leu, encontrou algum erro ou quer acrescentar algo?
Não deixe de comentar! =)
Sua opinião é muito importante para o blog.
Beijocas.

© 2012 - Todos os Direitos Reservados
Design por: Gabrielle Alves | Para uso exclusivo do blog Artesã Literária